Seguidores

terça-feira, 30 de novembro de 2010

O Verdadeiro Gesto de Amor




Aquilo que de verdadeiramente significativo podemos dar a alguém é o que nunca demos a outra pessoa, porque nasceu e se inventou por obra do afecto. O gesto mais amoroso deixa de o ser se, mesmo bem sentido, representa a repetição de incontáveis gestos anteriores numa situação semelhante. O amor é a invenção de tudo, uma originalidade inesgotável. Fundamentalmente, uma inocência.

Fernando Namora, in 'Jornal sem Data'

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Nossa senhora da Boa viagem em Constância.

Recebi o convite que muito me honra em postar este vidio do:

http://viagensaomeuplaneta.blogspot.com

Este é um vidio que relacta um dos pontos altos das festas em honra Nossa senhora da Boa viagem em Constância.



domingo, 28 de novembro de 2010

Nunca Ninguém Amou Completamente




Vou deitar-te na eternidade, que é esse o teu lugar, é esse, é esse. E agora só tenho que te amar tudo de ti, não deixar nada de fora. Porque, sabê-lo-ás? Nunca ninguém amou completamente, houve sempre uma forma de amar fragmentária, parcial. Amou-se sempre em função de uma fracção do amor como se usou um vestuário segundo a moda, desde o calção ou o penante de plumas. Vou-te amar como Deus. Não, não. Deus não sente prazer nem movimento progressivo até ao prazer, coitado, é tão infeliz. Vou-te amar como um homem desde que os há, desde o tempo das cavernas até hoje e com um pequeno suplemento que é só meu.

Vergílio Ferreira, in "Em Nome da Terra"

sábado, 27 de novembro de 2010

Tango & roses



Ao ouvir esta música fico com saudades do que nunca tive...

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

A Vida não Cabe numa Teoria.




A vida... e a gente põe-se a pensar em quantas maravilhosas teorias os filósofos arquitectaram na severidade das bibliotecas, em quantos belos poemas os poetas rimaram na pobreza das mansardas, ou em quantos fechados dogmas os teólogos não entenderam na solidão das celas. Nisto, ou então na conta do sapateiro, na degradação moral do século, ou na triste pequenez de tudo, a começar por nós.
Mas a vida é uma coisa imensa, que não cabe numa teoria, num poema, num dogma, nem mesmo no desespero inteiro dum homem.
A vida é o que eu estou a ver: uma manhã majestosa e nua sobre estes montes cobertos de neve e de sol, uma manta de panasco onde uma ovelha acabou de parir um cordeiro, e duas crianças — um rapaz e uma rapariga — silenciosas, pasmadas, a olhar o milagre ainda a fumegar.

Miguel Torga, in "Diário (1941)"

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Frida Kahlo - Auto retrato

Blogagem Coletiva proposta pela amiga Glorinha de Leon do Blog Café com Bolo

Minha idéia é meu pincel.







Auto retrato
pintado na tela
em cores vazias de palavras
reflexos de espelhos de água
enquadrado na minha janela...
Meu rosto
fotografia da minha alma
espelho meu
traço a traço
de quem já sofreu...
Retrata sentimentos
grava emoções
reproduz imagens
descreve a alegria e a dor
outras recordações...
Olho para o espelho
revejo-me na tela
esboço esperanças
traço vestígios
da minha estrela...
Auto retrato
diz-me quem eu sou
de onde vim
o que faço aqui
para onde vou...
Passo a passo
construo meu auto retrato
á minha imagem e semelhança
pinceladas direitas em curvo traço
de amor paz e esperança.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

Saudade tua...




"Trocaria a memória de todos os beijos que me deste por um único
beijo teu. E trocaria até esse beijo pela suspeita de uma saudade tua... "

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Bálsamo do amor...


Por ti
serei água e fogo
descobrirei outra forma de amar
mais doce
mais terna.

Vou sentir o calor do Sol
a brisa do vento
a força das ondas.

Irei por esses montes fora
semearei ternura
irei navegar em outros mares
enfrentarei tempestades
vendavais.

subirei montanhas
chegarei perto do céu
sentar-me numa estrela.

direi ao mundo
que te amo
que te desejo
que és o bálsamo
de um amor profundo.

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

O Sexo é um Caso Sério




Pensai no casal mais belo, mais encantador, como ele se atrai e se repele, se deseja e foge um do outro com graça num belo jogo de amor. Chega o instante da volúpia, e toda a brincadeira, toda a alegria graciosa e doce de súbito desapareceram. Porquê? Porque a volúpia é bestial, e a bestialidade não ri. As forças da natureza agem por toda a parte seriamente. A volúpia dos sentidos é o oposto do entusiasmo que nos abre o mundo ideal. O entusiasmo e a volúpia são graves e não comportam a brincadeira.

Arthur Schopenhauer, in 'Metafísica do Amor'

domingo, 21 de novembro de 2010

Vendaval de desejos...




Há dentro de mim um desejo
que queima as minhas entranhas
o aninhar-me no teu corpo
amar-te até sentir a dor
do teu amor em lágrimas...
Porque o meu desejo é
fogo que me faz arder
me enche de luz
o mesmo que me ilumina
me inflama de tanto te querer...
Tu, imagem dos meus desejos
enlouquecidos pelos teus cheiros de fêmea
desejos de sorver a tua carne
em grandes beijos
fundir-me em ti minha alma gémea...
Porque o meu desejo
é amor é querer é ambição
na liberdade do meu ensejo
num desejo ardente
almejado na minha solidão...
É amar-te num vendaval de desejos
sentir-te em todas as minhas madrugadas
pelo teu cheiro pelo teu suor
debaixo dos lençóis te tocar
com desejo e muito amor...

sábado, 20 de novembro de 2010

Sorriso.





É necessário muito pouco para provocar um sorriso , basta um sorriso para tudo se tornar possível ...

sexta-feira, 19 de novembro de 2010

Amália hoje-A gaivota.

Literatura.

Em Busca do Carneiro Selvagem, Haruki Murakami,




Sinopse
Murakami tece uma história onde a realidade é palpável, dura e fria, e seria a verdade de qualquer um, não fosse um leve pormenor: é uma realidade absolutamente fantástica...
Um publicitário divorciado, que tem um caso com uma rapariga de orelhas fascinantes, vê-se envolvido, graças a uma fotografia publicitária, numa trama inesperada: alguém quer que ele encontre um carneiro! Mas não é um carneiro qualquer. É um animal que pode mudar o rumo da história. Um carneiro sobrenatural…

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Danseuses bleues.

Blogagem colectiva

"Minha Ideia é Meu Pincel”



Danço ao ritmo
da coreografia
de prazer
e fantasia...
Sensuais
lindas bailarinas
mulheres fatais...
Brilhantes
como o azul do céu
despidas
corpo ao léu
São anjos
de azul pintados
sem sexo
inflamam paixões
sem nexo...

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Ponto de encontro...


No horizonte
há um ponto de encontro
do nosso olhar
no tempo
na distância
para além do mar...
Estás aí
longe
mas perto de mim
olhas a lua que flutua
me ilumina para ti...
Sorris
um sorriso de encantar
há luz nos teus olhos
que iluminam
fascinam
me fazem sonhar...

terça-feira, 16 de novembro de 2010

Gostar...


Gosto do mundo Azul
dos raios do sol
da cheia lua
do teu corpo suado
transfigurado quando flutua...

Gosto da essência que liberta
o sabor amargo do teu suor
acariciar teus seios
senti-los cheios
de amor...

gosto em noite de luar
olhar o azul do mar
beijar teu corpo de sereia
e com a lua a flutuar
possuir-te na areia...

Gosto de te ter nos meus braços
cruzar a minha vida com a tua
saciar-me de beijos
matar os meus desejos
olhar para a lua...

domingo, 14 de novembro de 2010

Suor de mel...


Quando eu danço
as ondas do mar
dançam envoltas na maresia
enrolam na areia
dançando com alegria...
O Sol dança com a Lua
tua cabeça no meu peito
corpos suados num tropel
perfume rarefeito
suor de mel...
Danço balanço
sacio o meu desejo
abraço e rodopio
abraço teu corpo ardente
enquanto te acaricio...
Deleito-me com o olhar
nos teus gestos de sedução
nossos lábios se tocam
enleados rodopiamos
dançamos com paixão.

Dançar." Flor D'Luna"



Na dança não é suficiente apenas sentir o que se faz, mas transmitir o que se sente.
Amei dançar com vocês.

sábado, 13 de novembro de 2010

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

O amor é o amor. E depois?



Quem já leu faça favor de reler. Quem não leu leia. E volte a ler. Uma, duas, três vezes.



Há coisas que não são para se perceberem. Esta é uma delas. Tenho uma coisa para dizer e não sei como hei-de dizê-la. Muito do que se segue pode ser, por isso, incompreensível. A culpa é minha. O que for incompreensível não é mesmo para se perceber. Não é por falta de clareza. Serei muito claro.
Eu próprio percebo pouco do que tenho para dizer. Mas tenho de dizê-lo. O que quero é fazer o elogio do amor puro. Parece-me que já ninguém se apaixona de verdade.

Já ninguém quer viver um amor impossível. Já ninguém aceita amar sem uma razão. Hoje as pessoas apaixonam-se por uma questão de prática. Porque dá jeito. Porque são colegas e estão ali mesmo ao lado. Porque se dão bem e não se chateiam muito. Porque faz sentido. Porque é mais barato, por causa da casa. Por causa da cama. Por causa das cuecas e das calças e das contas da lavandaria. Hoje em dia as pessoas fazem contratos pré-nupciais, discutem tudo de antemão, fazem planos e à mínima merdinha entram logo em “diálogo”. O amor passou a ser passível de ser combinado. Os amantes tornaram-se sócios. Reúnem-se, discutem problemas, tomam decisões. O amor transformou-se numa variante psico-sócio-bio-ecológica de camaradagem.

A paixão, que devia ser desmedida, é na medida do possível. O amor tornou-se uma questão prática. O resultado é que as pessoas, em vez de se apaixonarem de verdade, ficam “praticamente” apaixonadas. Eu quero fazer o elogio do amor puro, do amor cego, do amor estúpido, do amor doente, do único amor verdadeiro que há, estou farto de conversas, farto de compreensões, farto de conveniências de serviço.

Nunca vi namorados tão embrutecidos, tão cobardes e tão comodistas como os de hoje. Incapazes de um gesto largo, de correr um risco, de um rasgo de ousadia, são uma raça de telefoneiros e capangas de cantina, malta do “tá bem, tudo bem”, tomadores de bicas, alcançadores de compromissos, bananóides, borra-botas, matadores do romance, romanticidas. Já ninguém se apaixona? Já ninguém aceita a paixão pura, a saudade sem fim, a tristeza, o desequilíbrio, o medo, o custo, o amor, a doença que é como um cancro a comer-nos o coração e que nos canta no peito ao mesmo tempo?
O amor é uma coisa, a vida é outra. O amor não é para ser uma ajudinha. Não é para ser o alívio, o repouso, o intervalo, a pancadinha nas costas, a pausa que refresca, o pronto-socorro da tortuosa estrada da vida, o nosso “dá lá um jeitinho sentimental”. Odeio esta mania contemporânea por sopas e descanso. Odeio os novos casalinhos. Para onde quer que se olhe, já não se vê romance, gritaria, maluquice, facada, abraços, flores. O amor fechou a loja. Foi trespassada ao pessoal da pantufa e da serenidade.

Amor é amor. É essa beleza. É esse perigo. O nosso amor não é para nos compreender, não é para nos ajudar, não é para nos fazer felizes. Tanto pode como não pode. Tanto faz. É uma questão de azar. O nosso amor não é para nos amar, para nos levar de repente ao céu, a tempo ainda de apanhar um bocadinho de inferno aberto. O amor é uma coisa, a vida é outra. A vida às vezes mata o amor.

A “vidinha” é uma convivência assassina. O amor puro não é um meio, não é um fim, não é um princípio, não é um destino. O amor puro é uma condição. Tem tanto a ver com a vida de cada um como o clima. O amor não se percebe. Não é para perceber. O amor é um estado de quem se sente. O amor é a nossa alma. É a nossa alma a desatar. A desatar a correr atrás do que não sabe, não apanha, não larga, não compreende. O amor é uma verdade. É por isso que a ilusão é necessária. A ilusão é bonita, não faz mal. Que se invente e minta e sonhe o que quiser.

O amor é uma coisa, a vida é outra. A realidade pode matar, o amor é mais bonito que a vida. A vida que se lixe. Num momento, num olhar, o coração apanha-se para sempre. Ama-se alguém. Por muito longe, por muito difícil, por muito desesperadamente. O coração guarda o que se nos escapa das mãos. E durante o dia e durante a vida, quando não esta lá quem se ama, não é ela que nos acompanha - é o nosso amor, o amor que se lhe tem. Não é para perceber. É sinal de amor puro não se perceber, amar e não se ter, querer e não guardar a esperança, doer sem ficar magoado, viver sozinho, triste, mas mais acompanhado de quem vive feliz. Não se pode ceder. Não se pode resistir. A vida é uma coisa, o amor é outra.
A vida dura a vida inteira, o amor não. Só um mundo de amor pode durar a vida inteira. E valê-la também.”

Miguel Esteves Cardoso

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

Blogagem colectiva.

Georgia O`Keefe-The waterfaal

minha idéia meu pincel.





O amor
é como uma queda de água
cristalino
puro
transparente
como a corrente de um rio
que inunda meu interior...
Como uma cascata em catadupa
impetuosa
violenta
de uma beleza sem medida
que nos sacia
alimenta
dá vida...

Lágrimas que caiem
queda de água
que desgata
cava
corrói
espelho da minha alma
amor que dói...

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Encruzilhada



Dois destinos
dois rumos
no cruzamento de vidas,
tudo se confunde.
Sentimentos profundos
num viver distante,
num querer
num sentir constante.
De não o ter
de não poder
aproximar dois mundos...

Literatura.




No final de uma vida, entrando no seu epílogo, um homem já sem destino para cumprir medita sobre o seu passado e o seu futuro, no regresso a uma casa vazia onde passou parte da sua infância, povoada de fantasmas que evocam os momentos chave da sua existência. Recheado de flash-backs para o passado e para o futuro (!), a antevisão, real e com todos os detalhes, da degradação da sua velhice e do seu funeral urge em Paulo a derradeira tentativa de procura da explicação de um sentido para a vida, alimentada por muitos sonhos e esperanças no tempo em que tal era devido, cheia de frustrações e desilusões posteriores frutos de um destino azarado e de uma fatalidade previsível, condições propícias para um redescobrir da vida nos elementos mais simples que anteriormente passavam despercebidos na azáfama do cumprimento do quotidiano e de toda uma vida alicerçada nos seus valores supostamente mais altos.

Nesta narrativa de evocações aleatórias, centrada no romance de Paulo com Sandra, mulher difícil e de poucos sentimentalismos, a redução de uma vida ao seu cumprimento basilar pelo amor, último alicerce num mundo de ilusões, revelando-se semítico na sua realização, e defraudado ainda por uma filha que o confronta com a esterilidade da sua actividade e do seu pensamento, mumificando-o no seu tempo presente, tempo esse prometedor de progressos civilizacionais que os próprios contemporâneos se encarregam de deitar a perder, ébrios de uma liberdade utópica que nada concilia face à disparidade de vertentes, facções e pontos de vista que num ruído ensurdecedor emudece e paralisa a humanidade no êxtase do extremo da civilização actual.

Vítima do seu próprio pensamento perscrutador, questionando a sua condição humana e a dos outros, comparando-a até ao fim dos tempos, um lamento arrastado mas pontuado por algumas fagulhas de lucidez e outras de felicidade passada e presente, num acomodar inconsciente contrastante de uma luta ávida pela vida onde persistem ainda mais perguntas que respostas apesar de toda a sofreguidão de viver tal como evidenciado pelo relato de vida do narrador. A paz nunca chega, para sempre continua a percepção do abismo entre aquilo que se é e aquilo que se sente.

terça-feira, 9 de novembro de 2010

O teu poema.




"O amor também é feito de palavras,palavras que nos podem acariciar por dentro,onde as nossa mãos não chegam,onde os beijos não alcançam..."

Prémio.



Recebi da minha querida amiga Rosana Marega do http://rosanemarega.blogspot.com.

O Premio Dardos é o reconhecimento dos ideais que cada blogueiro emprega ao transmitir valores culturais, éticos, literários, pessoais, etc... que em suma, demonstram sua criatividade através do pensamento vivo que está e permanece intacto entre suas letras, e suas palavras. Esses selos foram criados com a intenção de promover a confraternização entre os blogueiros, uma forma de demonstrar o carinho e reconhecimento por um trabalho que agregue valor à Web"


Não vou nomear ninguém, mas desde já fica á disposição para quem quiser levar.

segunda-feira, 8 de novembro de 2010

A chuva cai...




Rosto molhado
ao sabor do vento
corpo fatigado
marcado
pelo tempo...
Pingos de chuva
molham-me o rosto
imagem
em poça de água
reflectida
calçada gasta
polida
brisa de vento
que me afaga
e dá vida...
Por ruas e vielas
sigo o caminho
o vento ronda
acalma
a chuva cai
inunda-me a alma...
E a vida safada
cansada
se esvai
no tempo
e na chuva
que cai...

domingo, 7 de novembro de 2010

Ausência




Já não consigo esquecer-te,vou aprender a conviver com a tua ausência...

Literatura.




Sobre o livro: «Quatro casais, oito personagens e a pergunta que nos assalta quando percebemos o fim: ainda me amas? Não sabem o que os faria felizes, nem se lembram do dia em que sentiram o peso da solidão, em que se amaram ou se desejaram. Hoje, não se reconhecem, não têm coragem para mudar de vida, para assumir o fim e procurar noutro amor o caminho de volta para o compromisso maior: ser feliz.
Num diário de emoções íntimas, falam na primeira pessoa do que sentem em relação a si e aos outros. Concluem que, cada um à sua maneira, todos foram infiéis: por pensamentos, actos ou omissões.
Com vidas entrelaçadas, cada um descreve no diário a sua viagem pelo mundo do sexo, do desejo, do pudor, do egoísmo, do amor-próprio, do envelhecimento, do sonho, da morte… Enfim, a matéria-prima da qual é feita a existência de gente vulgar.»

sexta-feira, 5 de novembro de 2010

Carta de Amor.


Ouvi dizer por aí
que já não há cartas de amor
mas o meu anjo lá do céu
ontem me escreveu
falou de amor
da sua dor
dos seus segredos
dos sonhos
dos seus medos.
Esculpiu cada letra
com sentimento
forjou cada palavra
com um amor crescente
envolveu-me nos seus sonhos
no seu corpo latente
carente de ternura
amor e qb.de loucura
coerente...

Moldei-me nas suas asas
emocionado reli
beijei todas as palavras
e senti
que és a minha flor
a minha primavera
o meu grande amor
o terminar de uma longa espera
o acabar da dor...

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Mulher menina e mel.



És menina e mel
mulher menina
á flor da pele
és sonho és vida
meu doce amar
és poesia
mulher menina
luz do luar...
És o meu canto
o meu choro
o meu pranto
menina mulher
meu encanto
és o poema
que eu quero cantar
és emoção
que me faz chorar...
És água
e o sal do meu mar
és lágrima
em preia-mar
mulher menina
meu porto
tempestade e vento
no meu mar revolto
és o puro sentimento
do meu amar...

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

O caso Sakineh Mohammadi Ashtiani.



TEERÃ - O Comitê Internacional contra o Apedrejamento informou que iraniana Sakineh Mohammadi Ashtiani, condenada à morte por apedrejamento, não foi executada nesta quarta-feira, conforme temia a comunidade internacional, o que levou Teerã a afirmar que o Ocidente utiliza esse caso de para pressionar o Irã.

"Sakineh Mohammadi Ashtiani não foi executada hoje (quarta-feira). Neste momento já passou o horário das execuções, portanto não será hoje. Mas o risco continua, e pode acontecer a qualquer momento", declarou à AFP Mina Ahadi, porta-voz do Comitê Internacional contra o Apedrejamento, que tem sede na Alemanha, e que disse ter recebido informações do próprio comitê no Irã. "Os ocidentais são tão insolentes que transformaram o caso de Sakineh Mohammadi Ashtiani, que cometeu crimes, em um caso de direitos humanos", declarou , afirmou, por sua vez, Ramin Mehmanparast, porta-voz do ministério das Relações Exteriores iraniano.

"Fizeram do caso um símbolo da liberdade da mulher nos países ocidentais e o fizeram com insolência. Pedem a libertação dela. Tentam utilizar um caso simples como meio de pressão contra o Irã", completou o porta-voz.

Posteriormente, Malek Ajdar Sharifi, titular da justiça local, anunciou que Sakineh se encontra em perfeito estado de saúde e seu processo segue o curso, conforme citado pela agência oficial Irna. "Ela está em perfeito estado de saúde e se encontra na prisão de Tabriz", declarou Sharifi.

"Ao mesmo tempo, seu processo segue seu curso em nível dos tribunais da província", acrescentou.

Igualmente acusou "a mídia ocidental hostil de querer criar um clima envenenado contra a República Islâmica do Irã", ao publicar informações como a execução iminente de Sakineh.

Várias organizações de apoio a Sakineh manifestaram na terça-feira na França o temor de que ela fosse executada nesta quarta-feira. "Sakineh Mohammadi Ashtiani aparentemente está ameaçada de ser executada amanhã, quarta-feira, 3 de novembro", informou um comunicado da revista francesa La règle du Jeu, dirigida pelo filósofo Bernard-Henri Lévy.

"Uma carta da Suprema Corte de Teerã foi enviada ao escritório de aplicação das penas na penitenciária de Tabriz autorizando a execução rápida de Sakineh. As execuções acontecem na quarta-feira, assim estamos terrivelmente preocupados por Sakiney hoje", completa o texto.

Sakineh Mohammadi Ashtiani, 43 anos, foi condenada em 2006 a 10 anos de prisão pela acusação de cumplicidade no assassinato do marido e ao apedrejamento até a morte por várias acusações de adultério, segundo as autoridades iranianas.

A condenação provocou uma enorme campanha internacional para evitar a aplicação da pena, assim como vários questionamentos aos julgamentos.

A preocupação da La Règle du Jeu era compartilhada fundamentalmente pela Liga do Direito Internacional das Mulheres.

Sihem Habchi, da associação de defesa dos direitos das mulheres "Nem Putas Nem Submissas", ligou para o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, "a tomar posição, coisa que ainda não fez".

Várias associações realizaram atos de protestos na tarde da terça-feira diante da embaixada do Irã em Paris para exigir a libertação de Sakineh.

Em julho, o governo do Irã anunciou que a condenação à morte por apedrejamento, confirmada em 2007 em apelação, estava suspensa e que o caso seria reexaminado.

A comunidade internacional questiona as condenações e uma campanha em todo o mundo tenta salvar a iraniana.

Fonte France Presse

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Brisa...




A brisa trás consigo
odores de outro lado
e na alva madrugada
branca imaculada
verás o sol nascer
um novo sol
que inunda de luz o mundo
na aurora do teu amadurecer...
Nas areias margens do (a)mar
seguirei a beleza do teu canto
e a meu lado sentirás
o quanto és amada
quebrarei o teu encanto
porque te quero tanto
sereia minha encantada...