Seguidores

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

Regresso ao trabalho...


Poeminha sobre o Trabalho

Chego sempre à hora certa,
contam comigo, não falho,
pois adoro o meu emprego:
o que detesto é o trabalho.

Millôr Fernandes, in "Pif-Paf"

Após mês e meio de recuperação da cirurgia ao joelho, tudo está nos conformes.
Agradeço a todos os que estiveram sempre a meu lado, mesmo estando distantes.
Obrigado,bem hajam.

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Rio..


Rio que corres para o mar
arrastas contigo
muitas lágrimas
suor ,dor
não me comprimas nas tuas margens
liberta-me das minhas mágoas
deixa-me ser livre
e navegar nas tuas águas
numa infusão de amor...

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Mulher ...




Tu que inquietas o meu sono
de insónia
e ilusão
asas do meu sonho
em noites de lua (cheia)
de paixão...
Tu mulher amada
extensão dos meus sonhos
de noites brancas
ilusão inventada
sonho o teu corpo
beijo a tua boca
tua alma perfumada...

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

literatura


Sinopse

Uma paleógrafa é brutalmente assassinada na Biblioteca Vaticana quando consultava um dos mais antigos manuscritos da Bíblia, o Codex Vaticanus. A polícia italiana convoca o célebre historiador e criptanalista português, Tomás Noronha, e mostra-lhe uma estranha mensagem deixada pelo assassino ao lado do cadáver.

A inspectora encarregada do caso é Valentina Ferro, uma beldade italiana que convence Tomás a ajuda-la no inquérito. Mas a sucessão de homicídios semelhantes noutros pontos do globo leva os dois investigadores a suspeitarem de que as vítimas estariam envolvidas em algo que as transcendia.

Na busca da solução para os crimes, Tomás e Valentina põem-se no trilho dos enigmas da Bíblia, uma demanda que os conduzirá à Terra Santa e os colocará diante do último segredo do Novo Testamento. A verdadeira identidade de Cristo.

Baseando-se em informações históricas genuínas, José Rodrigues dos Santos confirma-se nesta obra excepcional como o grande mestre do mistério. Mais do que um notável romance, O Último Segredo desvenda-nos a chave do mais desconcertante enigma das Escrituras.

domingo, 19 de fevereiro de 2012




SOU INCAPAZ DE DITAR REGRAS NOS BLOGUES DAS OUTRAS PESSOAS, MAS ESTOU A TER MUITA DIFICULDADE EM COMENTAR NOS BLOGUES COM VERIFICAÇÃO DE PALAVRAS.
É QUE AGORA NO LUGAR DE UMA PALAVRA, TEM DUAS, E VÁ-SE LÁ SABER QUE LETRAS OU GATAFUNHOS SÃO AQUELES. PELO FACTO PEÇO DESCULPA.

Obs:Palavras do http://sotepeco5minutos.blogspot.com que subscrevo na íntegra.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Adormecer


Vai vida na madrugada fria.

O teu amante fica,
na posse deste momento que foi teu,
amorfo e sem limites como um anjo;
a cabeça cheia de estrelas...
Fica abraçado a esta poeira que teu pé levantou.
Fica inútil e hirto como um deus,
desfalecendo na raiva de não poder seguir-te!

Manuel da Fonseca, in "Poemas Dispersos"

quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Agora que Sinto Amor...


Agora que sinto amor
Tenho interesse no que cheira.
Nunca antes me interessou que uma flor tivesse cheiro.
Agora sinto o perfume das flores como se visse uma coisa nova.
Sei bem que elas cheiravam, como sei que existia.
São coisas que se sabem por fora.
Mas agora sei com a respiração da parte de trás da cabeça.
Hoje as flores sabem-me bem num paladar que se cheira.
Hoje às vezes acordo e cheiro antes de ver.

Alberto Caeiro, in "O Pastor Amoroso"
Heterónimo de Fernando Pessoa

terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Literatura.

Relendo José Saramago.

(O ano da morte de Ricardo Reis.)



Ricardo Reis ocupava-se do ofício da medicina e do prazer da poesia. Avesso a totalitarismos, deixara Portugal fugindo da ditadura salazarista, refugiando-se no Brasil, onde algum tempo depois, instalou-se a ditadura Vargas. Isto, somado à morte de seu amigo Fernando Pessoa, fez com que retornasse a Portugal. Instalou-se num hotel e conheceu aquela que viria a ser sua musa, sua amada, Lídia. Entre lembranças e indagações, conversava com Fernando Pessoa, que volta e meia, visitava-o, mesmo morto. Ricardo Reis desfrutou do amor com uma mulher mais jovem, linda, revigorante. Ela engravidou. Ele mudou-se para uma casa; não visitava seu país, mas voltara a viver nele, um lugar que ainda tinha as marcas dos horrores despóticos. Isto era percebido nas caminhadas que realizava. Entretanto, a angústia de existir atormentava-o à exaustão. Ricardo Reis era discípulo da poesia latina, bebia na fonte de Horácio, o poeta-filósofo, e escrevia odes singulares; tinha em Fernando Pessoa um amigo e um mestre; nascera dele, fora sua criação, sua parte, seu lirismo. Sentia falta de Fernando Pessoa, porque, apesar de receber suas visitas, eram irregulares. Na última visita feita pelo mestre, conversaram como de outras vezes. Depois, Fernando Pessoa foi. Ricardo Reis foi com ele.

sábado, 11 de fevereiro de 2012


No infinito do mar
banhas-te na minha imagem
ondas que te acariciam
afagam-te o corpo
nossas bocas se beijam

Gostava de te beijar
para que pudesses ficar eternamente
com o meu sabor nos teus lábios
gostava de te abraçar
para sentires o tremor do meu corpo
neste vendaval de amar...

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Amanhecer.





Quero um amanhecer em liberdade
que me liberte para amar
como o rio que corre dentro de mim
sem mágoas
no encontro com outras águas...

Um amanhecer sem cansaço
aninhar-me nos teus braços
embalado nas ondas do teu amor
descansar no teu regaço...

Quero um amanhecer para a vida
um arco íris diferente
o pólen das flores
o nosso amor
sempre presente...

Quero em cada amanhecer
renascer para a vida
onde possa ver
sentir e crer
que faz sentido 
a vida ser vivida...

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Chorar de amor.


Choro
num choro sem dor
lágrimas absorvo-as
no meu interior
vejo o teu olhar
vermelho de chorar
num chorar de amor...
Choro para contentar o meu eu
choro por te ver chorar
quando olhas o céu
choro um chorar de nostalgia
sem mágoa
saudade do que não tenho
na esperança
de um novo dia...

domingo, 5 de fevereiro de 2012

Literatura.


Uma criança desaparece. Estava à guarda do pai. O choque da notícia atira a mãe para um abismo de amnésia. Sem memória, é incapaz de chorar um filho que não sabe que tem. Como podemos continuar a viver se caminhamos vazios. E há um homem que arranja uma amante enquanto visita a mulher no hospital. Ladrões que roubam cinzas de uma morta. Há as maldades desumanas do amor, um sopro pérfido que o diabo sussurra aos ouvidos. Em fundo, a irracional violência do divórcio. A bestialidade das palavras que atiramos uns aos outros como pedras. Uma mulher que espera ainda e sempre, à janela. Porque o coração é um bicho e não ouve. E uma pergunta a que não se ousa responder: Para onde vão os amores que foram um dia?

sábado, 4 de fevereiro de 2012

Distância.


Há na distância
do teu amor
a fidelidade a ânsia
o fervor
de me amares eternamente...

Há no mar que nos separa
correntes de querer
água límpida
clara
ondas de prazer...

Há amor nos teus olhos
sonhos que navegam mar afora
barcos atracados aos molhos
alma que chora
quando olhas o horizonte ...