Seguidores

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

Literatura.


 Crime e Castigo - Fiódor Dostoiévski


Publicado em 1866, Crime e Castigo é a obra mais célebre de Fiódor Dostoiévski. Neste livro, Raskólnikov, um jovem estudante, pobre e desesperado, perambula pelas ruas de São Petesburgo até cometer um crime que tentará justificar por uma teoria: grandes homens, como César e Napoleão, foram assassinos absolvidos pela História. Este ato desencadeia uma narrativa labiríntica que arrasta o leitor por becos, tabernas e pequenos cômodos, povoados de personagens que lutam para perservar sua dignidade contra as várias formas da tirania.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

Tu és o poema que gostava de escrever...




Tu és
o meu poema de amor
balada dos meus sonhos
canção de embalar
palavras que escrevo
neste imenso mar de amar..

És o mar que reinventei
miragem neste imenso azul
ondas que enrolam ao vento
em águas salgadas de lágrimas
num amor que invento...

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Literatura.


Sinopse .

É um livro em que o desenvolvimento dos enredos erótico-amorosos se conjuga com extrema felicidade à descrição de um tempo histórico politicamente opressivo e à reflexão sobre a existência humana como um enigma que resiste à decifração - o que lhe dá um interesse sempre renovado. Quatro personagens protagonizam essa história - Tereza e Tomas, Sabina e Franz. Por força de suas escolhas ou por interferência do acaso, cada um deles experimenta, à sua maneira, o peso insustentável que baliza a vida, esse permanente exercício de reconhecer a opressão e de tentar amenizá-la.

A Insustentável Leveza do Ser - Milan Kundera

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

domingo, 3 de fevereiro de 2013

Abraço-te e danço...



Lá fora o vento
varre as estrelas
lágrimas voam
silêncio na noite
a lua
ao relento...

O vento
para lá e para cá
meu coração estremece
embalo no vento
abraço-te
e danço...

Literatura.


Sinopse
Antero Moreira de Mendonça odeia os Jesuítas. Quando em 1755 um terramoto de proporções bíblicas arrasa a cidade de Lisboa e os Jesuítas pregam publicamente a fúria de Deus, o jovem entusiasta das ciências naturais vê chegada a oportunidade de se vingar da Companhia de Jesus. No entanto, Gabriel Malagrida, o líder dos Jesuítas a quem o povo reconhece poderes proféticos, revelar-se-á um opositor à altura. Contando com a ajuda de Leonor, filha de um comerciante alemão, Antero irá conseguir escapar-se ao cadafalso e à masmorra. Aquilo que Antero desconhece é que Leonor se conta entre os fiéis seguidores da ordem jesuíta. Que partido acabará o coração de Leonor por tomar? O de Antero ou o dos seus correligionários jesuítas?
A Jesuíta de Lisboa de Titus Muller